Tuesday, July 27, 2004

86.400 segundos

Imagine que você tenha uma conta no banco, onde todo dia você começa com um saldo de R$ 86.400,00. A conta só tem uma condição: você precisa gastar o dinheiro todo em um dia. Fácil, não é? Quem não gostaria de ter uma conta assim?

Pois nós todos temos uma conta assim... chamada tempo. Todos os dias, temos 86.400 segundos para gastar, do jeito que quisermos. No dia seguinte, lá está a conta, com o mesmo saldo para que possamos gastar de novo. A pergunta que fica é: o que estamos realizando com este saldo diário? Há pessoas que passam a existência inteira em branco. Na sua lápide, fica a memória: "Nascido a 01-01-1930, falecido a 31-03-2000". E pronto. Nada no meio. Pior ainda são aqueles em que a lápide registra, como se fosse uma nota de rodapé: "Péssimo filho, péssimo marido, péssimo pai, péssimo profissional, péssimo amigo...". Será que algum de nós gostaria de deixar esta lembrança?

Pois o tempo que temos disponível nos permite escrever a nossa própria história. Nós podemos escolher utilizá-lo para nosso crescimento espiritual, ou dedicá-lo a atividades menos produtivas. Não há nada pior, para um espírito que se vai, a sensação de haver perdido o tempo que tinha disponível nesta vida. Se priorizamos o trabalho de forma incorreta, sem dedicar tempo à família; se não encontramos momentos para as coisas que realmente importam, e ficamos sempre à busca do sucesso material e profissional; o que é que levamos depois de partir desta vida?

Muitos esperam que a vida lhes apresente a oportunidade de melhorar, em um momento especial ou extraordinário. Mas podemos dedicar o tempo ao nosso engrandecimento a cada minuto. Podemos começar agora, não precisamos deixar para amanhã. Não precisamos lamentar o tempo perdido ontem, ou em todos os anos passados. Podemos, e na verdade precisamos, começar a aproveitá-lo já, de imediato. Que os nossos problemas não sejam empecilho para isso. Se o momento atual é de sucesso, o tempo é de realização. Se o momento é de tristeza, o tempo pode ser usado para reflexão da experiência. Se o momento é de descanso, porque não, se dele ainda precisamos para refazimento do corpo e do espírito? Mas que seja um momento digno e vivido de forma adequada. E assim por diante, sempre há o que fazer com o tempo que temos nas mãos.

Não podemos nos esquecer: é Deus quem nos dá todo dia o maior presente de todos, o tempo. O nome já diz tudo: hoje é um presente. O passado já foi, o futuro, este nós podemos escrever. Cabe a nós utilizar bem do tesouro que recebemos todos os dias.

Resumo livre, de memória, da palestra proferida no dia 26/julho/2004, no Centro Espírita Eurípedes Barsanulfo, em Uberlândia. Infelizmente, não tenho o nome da palestrante.

1 Comments:

Anonymous Marina said...

Excelente! Adorei.
Realemnte o tempo é a maior preciosidade que temos. Podemos gasta-lo da maneira que bem entendemos, mas precisamos gasta-lo sabiamente.
Gostei da maneira como escreve.
Um abraço,
Marina

msn: maris.mc@terra.com.br

9:46 PM  

Post a Comment

<< Home